1.jpg
1_edited.jpg

Vivemos séculos de aceleração e de desconexão com os princípios básicos para uma vida equilibrada, ou melhor, para a vida humana. Dormir, respirar, comer, caminhar, relaxar e contemplar, aspectos tão simples mas que nunca estiveram tão distantes de nós mesmos.

Nos últimos 500 anos, criámos uma sociedade industrial e setorizada onde a produção em massa, o uso concentrado das redes digitais e das novas tecnologias nos levaram à inversão da dos valores humanos / humanidade. Estamos acompanhando a primeira geração em que o nível básico de QI diminuiu em relação às gerações anteriores.

Hoje, a obesidade mata mais do que a fome. 70% das doenças são crônicas, ou seja, são criadas pelos nossos comportamentos repetitivos e robotizados.
O stress, a ansiedade e depressão são as doenças do século. 1/3 do que produzimos desperdiçamos ao mesmo tempo que o nosso consumo per capita aumenta, senão o PIB reduz, a desigualdade cresce exponencialmente, podendo virar a sociedade com maior desigualdade do século XXI. Hoje somos quase 8 bilhões de humanos 7 bilhões de pessoas, 14 vezes mais gente em apenas 5 séculos, 14 vezes mais pessoas consumindo e sendo consumidas. Estima-se que desses 7 bilhões de pessoas, 90% esteja doente, não apenas no sentido de enfermidades, mas de ausência de vitalidade. Num relatório da ONU, a constatação é que o mundo está doente e a população está mais triste e sofrendo mais do que nunca com depressão e ansiedade.
Quanto mais conforto desfrutamos, maior é o abismo que criamos em nosso interior.

Tal como a história nos mostra, precisamos de um movimento abrupto para que o curso da civilização fosse questionado

There's no planet b, 
Mas existe planeta C de Cosii

emma-simpson-mNGaaLeWEp0-unsplash.jpg

Precisamos de uma pandemia no século XXI para que literalmente tudo parasse, e assim TODOS nós voltássemos para dentro. Para dentro de nós, das nossas famílias, das nossas casas e do nosso planeta. Fomos levados ao extremo. Muitos de nós ficaram enclausurados em casa, milhares de pessoas morreram, empresas fecharam, a vida social foi interrompida, e a máscara e a distância de segurança foram instaladas. Mas ao mesmo tempo, milhares de pessoas viram a importância da saúde, das relações e do Planeta. O lockdown mundial nos levou a assistir à necessidade urgente de regeneração da natureza, da sociedade e de nós mesmos, como ser individual. Percebemos de uma forma única que o caminho é sempre para dentro. Vimos surgir um novo estilo de vida. Do home-office às lives e reuniões online, do consumo local às escolhas mais saudáveis, do tempo em família ao tempo ao ar livre, da meditação à medicina natural, do ter por compartilhar.

Anjos em pele de paletós, em saltos altos, com chinelo no pé e sem chinelo também estão ao serviço de uma disrupção urgente, trocando o mindset de acelerar por respeitar o ritmo natural, de escalar por expandir, de captar por conectar, de concorrência por cooperação e de individual por coletivo A ordem agora precisa ser o próprio ritmo da natureza, essa alta tecnologia natural, que tem sido lapidada durante milhões de anos. Como disse um coreógrafo internacional português,

“Parar o tempo é obviamente impossível, mas o tempo é elástico, é relativo, não é o do relógio, é o tempo mental e o emocional, essencial numa sociedade em vertiginosa aceleração."

E para viver nesse tempo kairós, precisamos voltar à base, à origem, a casa, ou seja, a nós mesmos. Todas as revoluções começam dentro. Tudo provém das nossas ações internas. O que você está escolhendo? ou Você está consciente das suas escolhas? O que você está fazendo por você? E pelos seus filhos? Que comandos você está dando para você e para o mundo?

Nós estamos compartilhando e aprofundando aquilo que fazemos em nós mesmos há mais de 20 anos, para inspirar a mudança no jeito de nos alimentarmos, tanto no prato, quanto na vida.

Mais do que uma empresa, somos um movimento que veio para revolucionar, e não só revolucionar a nossa saúde e o nosso estilo de vida através da #foodrevolution.

Chega de vivermos ao ritmo de uma desumanidade automatizada. É urgente mudar. É urgente viver.

ARE YOU IN?